Quem sou eu

Minha foto
Juiz de Fora, Minas Gerais, Brazil
Uma mulher guerreira, romântica, amante de música e tudo que envolve cultura e artes. Pedagoga, poetisa, escritora de fatos da vida e de sentimentos envolventes na vida de todos nós. Amo crianças, respeito e venero as pessoas idosas, luto pelo fim de todo e qualquer preconceito.Oro pela cura de doenças como o câncer, a Aids entre outras...Sou viúva de um homem maravilhoso,me fez feliz por quase quarenta anos, mãe de três filhos e possuo seis lindos netos. Tenho amigos valiosos e acredito que a Educação é a arma para Transformar nosso Planeta num lugar onde o Respeito e o Amor sejam constantes.Escrevo desde os onze anos de idade.Meu primeiro livro publicado é "Soltando as Amarras", poesias num misto de romance, auto ajuda, homenagens e quebra de paradigmas.Escrevo vários gêneros literários. Tenho outros livros prontos para publicação, inclusive infantis. Creio que tenho por missão transmitir ao meu semelhante algo que possa beneficiá-lo . Fazer feliz as pessoas é meu maior prazer.

sexta-feira, 5 de agosto de 2011

O amor próprio

O amor próprio



Parece que estamos vivendo dias onde o amor próprio perdeu seu espaço. Nota-se visivelmente que a maioria das pessoas não se dá o valor merecido. Refiro-me a pequeninos detalhes que demonstram tal acontecimento.

A preocupação com a saúde física e espiritual já não é tão importante para muitos. A alimentação é algo pouco relevante , come-se excesso de alimentos gordurosos, açúcar em demasia, ingere-se refrigerantes como se fosse água e a saúde jamais será como deveria. Com o passar do tempo as consequências dessas atitudes aparecerão em formas desagradáveis. O corpo disforme, pois se engordamos não poderá ser bonito, em outros casos aparece o Diabetes tipo 2, colesterol e triglicérides altos e se não cuidarmos a tempo, problemas de hipertensão ou coração. A falta de atividade física é outro fator que hoje não se leva muito a sério. A preocupação predominante é com o TER e não com o SER. TER dinheiro para consumir tudo que se vê nas vitrines das lojas e shoppings. Seguir as tendências da moda é que conta. A falta de uma fé ou religião permite que não tenhamos respeito por nosso corpo e saúde. Quando nos amamos, amamos nosso semelhante, pois estamos em equilíbrio e desejamos transmitir paz e palavras generosas aos que nos rodeiam. Tentemos a cada dia analisarmos as ações que estamos tendo para que através da busca do amor próprio sejamos mais felizes e que isso se faça perceber por todas as pessoas que nos conhecem.



Denise Vieira Doro

Ocorreu um erro neste gadget

Meus netos

Meus netos
Dia 18 de junho de 2010

Arquivo do blog