Quem sou eu

Minha foto
Juiz de Fora, Minas Gerais, Brazil
Uma mulher guerreira, romântica, amante de música e tudo que envolve cultura e artes. Pedagoga, poetisa, escritora de fatos da vida e de sentimentos envolventes na vida de todos nós. Amo crianças, respeito e venero as pessoas idosas, luto pelo fim de todo e qualquer preconceito.Oro pela cura de doenças como o câncer, a Aids entre outras...Sou viúva de um homem maravilhoso,me fez feliz por quase quarenta anos, mãe de três filhos e possuo seis lindos netos. Tenho amigos valiosos e acredito que a Educação é a arma para Transformar nosso Planeta num lugar onde o Respeito e o Amor sejam constantes.Escrevo desde os onze anos de idade.Meu primeiro livro publicado é "Soltando as Amarras", poesias num misto de romance, auto ajuda, homenagens e quebra de paradigmas.Escrevo vários gêneros literários. Tenho outros livros prontos para publicação, inclusive infantis. Creio que tenho por missão transmitir ao meu semelhante algo que possa beneficiá-lo . Fazer feliz as pessoas é meu maior prazer.

sábado, 17 de março de 2012

Esperar a Tempestade passar...

Esperar a tempestade passar...


Uma das grandes virtudes do homem chama-se  “paciência”. Temos muita pressa em julgar as pessoas, falar das mesmas, resolvermos nossos problemas de ordem emocional , financeira e etc...
            Os dias possuem vinte e quatro horas e estas passam no ritmo perfeito, para que possamos organizar nossas atividades. Nem sempre somos assim metódicos, na maior parte das vezes, deixamo-nos envolver pela pressa do mundo moderno e saímos atropelando a tudo e a todos.
            A percepção do que fazemos tornar-se-á quase impossível. Na correria acabamos não exercitando a arte de esperar, ter paciência porque nada vai durar eternamente.
            Todo obstáculo por maior que se apresente deverá ser ultrapassado com a convicção de que podemos , mas sem soberba. A humildade faz-se mister para que possa acontecer.
             A tempestade  a que faço alusão , são os problemas dos quais nem sempre conseguimos fugir, tais como: brigas, desentendimentos, tristezas, perdas, mágoas, desemprego, calúnias, vingança... Coisinhas que são tão pequenas diante do que somos aos olhos do Divino. Doenças também, pois a maioria são de ordem psíquica, valorizamos tanto essas pequeninas coisas que acabamos por ficar doentes. Doentes da alma e consequentemente do corpo.
            Exercitemos sempre que possível o seguinte: antes de julgarmos alguém, tenhamos um profundo conhecimento dessa pessoa e mesmo assim neutralizemos esse ato. Só Deus poderá julgar-nos. O mesmo aplica-se no falar, discutir, chorar, caluniar, vingar-se e lamentar-se. Adotemos palavras de AMOR e que induzam os que nos rodeiam de vibrações positivas. Sorriso nos lábios e ternura nos atos. Quando tentados a cair em alguma dessas armadilhas, que tornam-se “Tempestades” em nossa vida, vamos elevar nosso pensamento ao Criador e pedir que tudo se acalme. O esforço de não reagir e sim abrandar com pensamentos e preces resultará em grandes beneces para todos nós.

Denise Vieira Doro
Ocorreu um erro neste gadget

Meus netos

Meus netos
Dia 18 de junho de 2010

Arquivo do blog