Quem sou eu

Minha foto
Juiz de Fora, Minas Gerais, Brazil
Sou escritora desde os onze anos de idade.Meu primeiro livro publicado é "Soltando as Amarras", poesias num misto de romance, auto ajuda, homenagens e quebra de paradigmas.Escrevo vários gêneros literários. Tenho outros livros prontos para publicação, inclusive infantis. Creio que tenho por missão transmitir ao meu semelhante através de meus textos palavras edificantes e que causem impacto é uma fé imensa na vida e na humanidade. Fazer feliz as pessoas é meu maior prazer. Faço parte da Leia/JF, Liga de escritores, autores e ilustradores de Juiz de Fora. Sou da Academia de Letras Joaquim Osório Duque Estrada no município de Paty do Alferes onde residi por trinta e cinco anos. A vida é um belo presente.

sábado, 11 de fevereiro de 2012

Aceitando as diferenças







Viemos a este mundo para usufruir de tudo que é bom e também passarmos por experiências não tanto agradáveis, mas que nos deixam incontáveis riquezas. Afinal, de tudo que nos ocorre sempre ficamos com algo surpreendente chamado maturidade. À medida que nos alegramos ficamos muito otimistas diante de tudo que nos envolve, no entanto quando aparecem problemas , nossa tendência é super-valorizarmos e consequentemente sofrermos. Será isso correto?
Deveríamos ter uma fé bem sólida e uma confiança inquestionável no SER Supremo que cremos existir e sendo assim digerirmos as influências maléficas que porventura ameaçam nossa paz de espírito. Nada dura para sempre ( já dizia Chico Xavier ) . Tudo passa e certamente o que é bom vai passar da mesma maneira o que é ruim.
Reflitamos sempre como se o problema não fosse nosso, não estivesse ali nos atormentando. Será que merece ser tão valorizado a ponto de nos deixar tristes, desesperançados e chorosos? Acredito que não. É difícil aceitarmos tudo que nos acontece, algumas vezes , mesmo sem querermos, desencadeamos tais situações. Oremos mais, confiemos mais, sejamos mais sensatos antes de falarmos, agirmos e demonstrarmos o que nos agrada ou desagrada. Não somos iguais, cada um de nós tem seus valores, seus defeitos e seu modo de pensar únicos. Tenhamos mais tranquilidade em cada dia vivido  para que não percamos a noção do que realmente nos ofendeu ( se permitirmos ) ou do que foi dito ou feito por pessoas que não tinham consciência de que estavam prejudicando outrem.

Denise Vieira Doro
Ocorreu um erro neste gadget

Meus netos

Meus netos
Dia 18 de junho de 2010

Arquivo do blog