Quem sou eu

Minha foto
Juiz de Fora, Minas Gerais, Brazil
Uma mulher guerreira, romântica, amante de música e tudo que envolve cultura e artes. Pedagoga, poetisa, escritora de fatos da vida e de sentimentos envolventes na vida de todos nós. Amo crianças, respeito e venero as pessoas idosas, luto pelo fim de todo e qualquer preconceito.Oro pela cura de doenças como o câncer, a Aids entre outras...Sou viúva de um homem maravilhoso,me fez feliz por quase quarenta anos, mãe de três filhos e possuo seis lindos netos. Tenho amigos valiosos e acredito que a Educação é a arma para Transformar nosso Planeta num lugar onde o Respeito e o Amor sejam constantes.Escrevo desde os onze anos de idade.Meu primeiro livro publicado é "Soltando as Amarras", poesias num misto de romance, auto ajuda, homenagens e quebra de paradigmas.Escrevo vários gêneros literários. Tenho outros livros prontos para publicação, inclusive infantis. Creio que tenho por missão transmitir ao meu semelhante algo que possa beneficiá-lo . Fazer feliz as pessoas é meu maior prazer.

sábado, 9 de abril de 2011

O que fazer quando não somos compreendidos?





Uma situação quase que rotineira em nossas vidas...Quantas vezes pensamos estar agradando alguém e , essa pessoa se ofende, não aceita, recusa o que fizemos nas melhores das intenções. Fato complicado, pois a princípio nossa reação é de decepção , depois revolta e uma certa desconfiança em relação aos sentimentos da pessoa em questão. Óbvio que quando tentamos agradar alguém , usamos vários caminhos, e nem sempre são estes entendidos. Tudo dependerá da personalidade e da educação que esta recebeu. Para alguns uma homenagem é algo enriquecedor, para outros é motivo de vergonha e até de exposição quando feita através da Net. E acabamos em lágrimas desnecessárias, porque a pessoa que se sentiu ofendida, jamais compreenderá que estávamos oferecendo nossa amizade e carinho e que nunca tivemos a intenção de expô-la ao ridículo ou prejudicá-la. Tudo bem, quando mais calmos entendemos através de uma breve reflexão que isso é normal e acontece com todo mundo e vai continuar acontecendo, afinal os dedos das mãos não são iguais e consequentemente as pessoas também são completamente diferentes umas das outras. E é justamente na diversidade que aprendemos grandes lições. Agradeçamos a Deus, por nos dar essa capacidade de discernimento e disposição para perdoarmos aos que não compreendem o que se passa em nossos corações. Vamos amar , perdoar e esquecer.

Nenhum comentário:

Ocorreu um erro neste gadget

Meus netos

Meus netos
Dia 18 de junho de 2010

Arquivo do blog