Quem sou eu

Minha foto
Juiz de Fora, Minas Gerais, Brazil
Uma mulher guerreira, romântica, amante de música e tudo que envolve cultura e artes. Pedagoga, poetisa, escritora de fatos da vida e de sentimentos envolventes na vida de todos nós. Amo crianças, respeito e venero as pessoas idosas, luto pelo fim de todo e qualquer preconceito.Oro pela cura de doenças como o câncer, a Aids entre outras...Sou viúva de um homem maravilhoso,me fez feliz por quase quarenta anos, mãe de três filhos e possuo seis lindos netos. Tenho amigos valiosos e acredito que a Educação é a arma para Transformar nosso Planeta num lugar onde o Respeito e o Amor sejam constantes.Escrevo desde os onze anos de idade.Meu primeiro livro publicado é "Soltando as Amarras", poesias num misto de romance, auto ajuda, homenagens e quebra de paradigmas.Escrevo vários gêneros literários. Tenho outros livros prontos para publicação, inclusive infantis. Creio que tenho por missão transmitir ao meu semelhante algo que possa beneficiá-lo . Fazer feliz as pessoas é meu maior prazer.

domingo, 24 de abril de 2011

Aceitar as críticas

Difícil tarefa a de aceitarmos nossas limitações e ao mesmo tempo termos a coragem necessária para irmos além, sem receios. Nunca temos a exata percepção do que estamos sendo como pessoas , quer seja dentro da família, entre amigos ou no trabalho. Ou , concluimos que estamos sendo excelentes ou que estamos deixando a desejar. Na maioria das vezes que refletimos sobre esse assunto, a opinião alheia é que mais prevalece.
Com uma educação muito repressora de uns anos passados (anos sessenta e setenta) , a maior preocupação era não decepcionar a família ou as pessoas do contexto social em que estávamos inseridos. Isso foi o maior entrave para a realização plena de uma pessoa. O temor do que poderia ser ou do que poderia causar, se transgredisse algumas regras impostas pela família ou pela sociedade de então.
Mulher divorciada era mal vista. Todos procuravam dela afastar-se, constituia perigo aos homens casados.Uma moça que saisse com o namorado para uma viagem sozinha era tida como "Perdida" , "Fácil", "Leviana"... Quando vestíamos um vestido um pouco decotado ou mais curto, éramos o alvo de todos os olhares ( e alguns retratando a reprovação). O tratamento mudava com as pessoas ditas "mais avançadas" para a época. Hoje indago, estariam correctos? Em primeiro lugar temos que ser felizes e isso só ocorrerá se nos sentirmos bem e livres. Deve existir diálogo ( não existia antigamente), o que acontecia eram recriminações e julgamentos precipitados. Mas, os tempos mudaram e o que ontem era algo assustador e altamente reprovado pela sociedade , hoje é natural e quem não segue a linha mais comum é taxado de "out" do contexto. A sociedade muda e transforma-se constantemente, visto isso precisamos ter atenção redobrada para nossas atitudes em relação a nós mesmos e aos outros. Afinal a vida foi feita para vivermos com intensidade, porém uma dose de equilíbrio em tudo é o que nos dará retornos satisfatórios.

Denise Vieira Doro

Um comentário:

Marly Bastos in "palavreados ao vento" disse...

Enfim amiga, viver é uma arte, onde nos é dada uma tela branca e nós colocamos as cores... E elas devem ser harmoniosas, ou então não tem valor.
Belo texto Denise.
Beijos

Ocorreu um erro neste gadget

Meus netos

Meus netos
Dia 18 de junho de 2010

Arquivo do blog